A SINCRONICIDADE DA PADARIA.

assortment of baked bread on wood table

A SINCRONICIDADE DA PADARIA

 

Uma amiga – que chamarei de X – procurou um quarto para alugar. O acordo foi fechado por um quarto e parte da sala para trabalhar. Tudo correu bem até que, uma manhã, minha amiga acordou sobressaltada nas primeiras horas do dia. A vizinha de baixo – era um prédio pequeno, com apenas dois andares – batia portas e andava sobressaltada. Impressionada, X presenciou a vizinha sair pela porta da frente, furiosa, e dobrar a esquina agitada.

Com vontade de tomar um café, X foi a uma padaria duas esquinas adiante. mas desistiu por causa do clima ruim e do péssimo serviço.

Poucos dias depois, a proprietária do apartamento comentou que uma vizinha seria despejada, e pediu a permissão da minha amiga para recebê-la com hóspede por alguns dias e abrigar as suas coisas.

A vizinha era a dona da padaria em que X havia desistido de tomar o café.  Além de ser despejada de casa, a padeira estava falida.

sinc_pao_contas

Apesar de o filho da dona da padaria ter preferido morar na própria padaria – até segunda ordem -, a mãe não quis se desfazer dos móveis, novinhos em folha.

A situação inusitada consistia de: uma moradora que pagava aluguel, mas que não podia mais usar a sala e uma nova moradora que vivia de favor em um pequeno apartamento de dois quartos. Como a dona do imóvel se recusou a dar um desconto à locatária e sugerir um prazo para a amiga padeira procurar onde morar, a inquilina preferiu sair.

Um ano depois de deixar o apartamento, X conversava com um amigo, que trabalha com locação e venda de imóveis. Este amigo, na verdade, a auxiliou na questão de um aluguel impagável.

Após a conversa, o corretor disse que passaria a tarde fazendo visitas, à procura de uma padaria para um cliente. X citou a padaria de um ano antes.

– Onde é? – o rapaz perguntou.

Ao ouvir o endereço, ele disse que por “coincidência”, era a mesma padaria que ele havia recentemente dado 400 mil reais para que um novo sócio pudesse colocar a casa em ordem.

– Mas vou te falar… – o corretor acrescentou. – Essa dona é muito enrolada, má administradora, difícil de conversar e os 400 mil não saldarão todas as dívidas, inclusive trabalhistas.

Muitas são as conclusões que nos servem, inclusive sobre como administramos as nossas vidas, mas a que mais me chama a atenção é que se nada aprendemos com os desafios, e principalmente se não buscamos o autoconhecimento e o entendimento de como podemos contribuir com o nosso crescimento e com o do planeta, seremos apenas uma alma penada a vagar apontando o dedo aos “responsáveis” pelos nossos “fracassos” sem nos conscientizarmos de nossas responsabilidades.

sinc_pao_tartaruga

A Sincronicidade, o Maestro e a Teoria dos Seis Passos.

sinc_banner_10_5_15

O que as sincronicidades significam em termos práticos?

E como unir a interpretação das sincs com nossos sonhos, intuições e transformar todo o pacote em decisões?

Teria toda sincronicidade uma interpretação prática, “ordinária” ou seriam elas apenas conecções com aspectos mais profundos de nossa psique?

Desde que iniciei este blogue, às vezes penso se devo publicar algo, ou não, devido ao “absurdo” de certas situações vividas. Pode até parecer, mas eu não convivo em uma sociedade de bruxos, cercado de magos. Como todos tenho amigos que duvidam do que conto. E como tenho conhecidos bem mentirosos, reflito sobre como diferenciar a mentira da verdade.

Muitas das questões sincronísticas são íntimas e, em tese, apenas me servem. Seria algo como interpretar sonhos através de livros…

Leia as notícias diárias e veja o mundo que nos cerca: guerras, violência, ilusões, aparências. Um mundo consumista que produz lixo que polui o planeta e retorna a cada um de nós através da comida que consumimos. É um ciclo de contaminação. Este mundo não é só externo, ele está internamente em cada um de nós. Se há violência é porque somos violentos.

As sincronicidades se conectam ao universo mas também intimamente a cada indivíduo. Ao mesmo tempo em que a sincronicidade é uma experiência coletiva, também é uma experiência íntima. E como escrevi em outra postagem, se você for uma pessoa profunda, profundas serão suas sincronicidades. E como citei que em toda mentira há uma verdade, e vice versa, também em toda profundidade há superficialidade. Em um mundo complexo, a mente é uma armadilha, que mal conduzida nos faz derrapar em interpretações. Mas algumas interpretações podem ser o som de sinos declamando o final da guerra.

Fui educado como católico, mas não sou dogmático. Utilizo as rezas como mantras. Utilizo as igrejas como locais para meditação. Reinterpreto cada passagem das rezas e mentalizo sobre elas todos os dias, não me prendo ao que decorei. A reza favorita é a que fala sobre as sincronicidades: “Santo Anjo do Senhor, meu zeloso protetor que a ti me confiou a piedade divina, me rege, me guarda, me governa e me ilumina.”

A orquestra toca em sincronia sob a regência de um maestro, que conduz, mas depende e ordena o talento de cada um dos músicos para dar forma à música das Esferas, que soa pelo micro através do macro e ao Cosmos, ecoando pelos buracos negros até aos neutrinos e vice versa. A resposta concreta às sincronicidades me parece estar nesta sequência: “me rege, me guarda, me governa e me ilumina.“

Passei a gostar, ainda mais, desta reza porque a resposta mais simples parece ser a mais óbvia. Paulo Coelho sempre fala sobre a “lenda pessoal”. Basta a você concluir se a sua lenda é uma construção ou uma afirmação. A questão é delicada como entender se você é um teimoso que deixa as oportunidades passarem ou se você está sendo devidamente “regido, guardado, governado e iluminado”, sabendo que ao mesmo tempo suas escolhas “te regem, te guardam, te governam e te iluminam.”

É preciso buscar discernimento e paciência. Saber ter ouvidos. Ou você opta por crescer intimamente para então encontrar o seu lugar no mundo, ou então sua opção é brilhar no mundo para então reencontrar-se intimamente. Talvez viver a memória do que ainda não foi vivido.

O pintor tem o olhar apurado, o caminhante sincronístico também.

Hoje, recebi “indiretamente” uma mensagem sobre alguém que não conheço, que está conectado comigo àquela “teoria dos seis graus de separação”, e que me pareceu uma resposta a uma de minhas demandas.

Assim são as concretudes das sincronicidades: um maestro a reger estrelas e sendo regido por elas.